Secretário esclarece compra de combustível da Prefeitura de Taquaritinga (SP) calculada em quase R$ 1 milhão

A foto de uma publicação feita no Diário Oficial no mês de Março/2020 começou a circular nas redes sociais dos moradores de Taquaritinga no início desta semana, despertando curiosidade e levantando questionamentos precipitados sobre uma compra de combustíveis, feita pela Prefeitura Municipal, no valor de R$ 905.780,00.

Slider

Tal discussão fez com que a imprensa procurasse o Secretário da Fazenda e, agora, responsável pelo Departamento de Compras, Carlos Montanholi, para maiores esclarecimentos. Em entrevista concedida ao Jornal Tribuna, ele esclarece que o valor descrito na nota é o equivalente ao consumo de combustível de toda a frota municipal projetado para os doze meses do ano. “Houve um erro de projeção quanto ao valor calculado, mas o pagamento é efetuado somente através das notas apresentadas na Secretaria da Fazenda. Portanto, nós pagamos apenas o que consumimos, mesmo que o gasto seja estipulado previamente seja maior”, disse.

O Secretário ainda esclarece que a abertura do processo licitatório foi feita no mês de Janeiro e foi composta por três impugnações de empresas. “As impugnações ocorrem quando algum estabelecimento participante não concorda com o Edital. No primeiro bimestre, houve três alegações e o secretário da pasta da época acolheu duas delas; na terceira, tivemos o respaldo jurídico e ela foi rejeitando, dando prosseguimento ao processo”.

A descrição de que a contratação está sendo feita em ‘caráter de emergência’ não tem ligação com a ação de combate à pandemia da Covid-19; ela está relacionada com a provável falta de combustível que a Prefeitura passaria em decorrência da extensão da contratação da empresa, que é programada para ocorrer no início do ano.

Carlos enfatiza que houve cotações de preço em três empresas da cidade e o estabelecimento que está atendendo a Prefeitura possui o menor preço do mercado. Todos os prazos estabelecidos em um processo licitatório foram respeitados.

Deixe uma resposta