“Segurança primária é essencial para coibir crimes na cidade”, diz capitão da PM de Taquaritinga (SP)

A cidade de Taquaritinga (SP) começou o ano de 2020 chamando a atenção dos criminosos; o município já contabiliza mais de cinco roubos feitos em Janeiro e a situação está deixando a população com a sensação de perigo constante.

Shadow
Slider

Diante do cenário atípico, já que o município é considerado uma área de baixa criminalidade, o capitão da 2° Companhia da Polícia Militar, Emerson Vieira Coelho, concedeu entrevista para o Jornal Tribuna a fim de expor o trabalho que a instituição está fazendo para identificar e capturar os autores dos delitos, além de evitar que mais pessoas sejam vítimas e que o prejuízo para empresários aumente.

“A Polícia Militar vem atuando em cima da mobilidade do crime e já está mostrando a sua resposta para a população; tivemos quadrilhas criminosas desarticuladas, além da recuperação de um veículo utilizado em alguns roubos e a detenção de um indivíduo na cidade. Não divulgar o que está sendo feito não significa que não estamos agindo para cessar essa onda de roubo que estamos vivenciando. Dizer que o trabalho não está sendo feito é um grande equívoco”, explica o comandante.

Segundo a autoridade, a PM trabalha com ferramentas de inteligência e informações que permitem traçar estratégias para a inibição dos bandidos. Um exemplo disso foi a apreensão de onze armas de fogo nos últimos meses de 2019 em ações contra criminosos. “O meliante não age quando a viatura está por perto, por isso é muito importante que os munícipes adotem atitudes específicas, como mudar a rotina e os hábitos na empresa que gerencia/trabalha. A segurança primária é essencial para coibir crimes”, enfatiza.

Para dificultar a ação dos bandidos, o capitão da PM pede maior atenção da população nas atitudes básicas, como investir em equipamentos de segurança para os bens materiais, principalmente, automóveis e residências. Empresários também devem repensar maneiras de executar o trabalho da empresa. “Grande parte dos roubos na cidade demandaram de informações privilegiadas; o ladrão não atuou de forma aleatória. Por isso, tenham cautela ao revelar o que possuem, qual a rotina da administração da empresa, horários de depósitos bancários ou datas em que a circulação de dinheiro é maior no ambiente de trabalho. Conversas sobre esses assuntos em questão não devem ser expostas, principalmente, quando há presença de qualquer pessoa que não tenha necessidade de saber sobre o assunto”, finaliza.

“Qualquer informação que o morador tenha e que possa auxiliar no nosso trabalho deve ser passada, tanto para Polícia Militar quanto à Polícia Civil; a denúncia será verificada e nos ajudará a direcionar o policiamento para áreas mais vulneráveis. Um exemplo disso é a prática de roubos em empresas instaladas às margens da rodovia; em dois dias, as viaturas se depararam com os indivíduos e houve troca de tiros em uma das ocorrências. Fica claro que há bandidos da nossa região atuando em nossa cidade”, completa.

Capitão Coelho finaliza explicando que o trabalho da Polícia Militar se inicia a partir da comunicação do delito; por isso, é importante que a vítima ou a pessoa que ligar para o telefone emergencial 190 mantenha calma e esteja munida de detalhes que facilitem a localização dos bandidos, como características pessoais, roupas que vestiam, veículo usado (quando há) e possível trajeto de fuga.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *