Escola de inglês online de taquaritinguense cresce mais de 250% na pandemia conquistando alunos do mundo todo

     A Educação foi um dos principais segmentos afetados pela pandemia de Covid-19. O fechamento de escolas de todas as modalidades causou insegurança aos estudantes, que, junto com as instituições, precisaram se reinventar para evitar a temida defasagem de conteúdo, somada ás questões emocionais que nos acometeram durante os dois últimos anos.

     A mudança no trabalho também afetou a taquaritinguense Mariana Donato Gaviolli. Com formação em Psicologia e Professora de Inglês, a jovem dava seus primeiros passos com sua escola de idiomas em Ribeirão Preto (SP) quando precisou tomar decisões repentinas que iriam interferir no futuro da microempresa. O que ela não imaginava é que tais mudanças alavancariam seu negócio a ponto de conquistar alunos fora do país.

     Em entrevista ao Jornal Tribuna, a taquaritinguense relata começou a dar aulas de Inglês há quatro anos, na casa de seus pais em Taquaritinga, depois de retornar do intercâmbio nos Estados Unidos. “Comecei a atender como psicóloga e até trabalhar em uma tradicional escola de idiomas, mas não era algo que me encantava. Eu sentia que era aquilo que eu gostaria de fazer, mas não daquela forma e então, decidi me arriscar nas aulas particulares”, relata.

 Certa da profissão que queria seguir, Mariana criou a Pink Flamingo – English Classes (homenagem ao estado da Califórnia) e deu início a divulgação das aulas em redes sociais. Rapidamente, um cômodo de seu apartamento em RP tornou-se um ambiente de aprendizagem e a procura foi crescendo gradativamente. Um ano depois, a demanda exigiu a contratação de um novo professor.

      Em Março de 2020, a escola já contava com mais de cinquenta alunos e quatro professores contratados. Foi o período em que os encontros presenciais foram suspensos por conta da pandemia. “O que, no primeiro momento, me causou medo e incerteza, acabou sendo uma coisa muito boa. Fomos forçados a adaptar a rotina e melhorar a metodologia para que as aulas online tivessem a mesma qualidade que as presenciais. Primeiro pensamos em como manter os nossos alunos e quando estávamos seguros com as aulas á distância, demos início a captação de novos estudantes por todo o Brasil, aproveitando a liberdade geográfica que a internet oferece”, explica.

      A migração das aulas presenciais para o digital fez a escola crescer 257% em dezoito meses. Hoje, Mariana coordena uma equipe de dezessete professores e mais de 150 alunos atendidos no país e no exterior, em planos que custam a partir de R$167 mensais. “Nossa intenção é que o aluno aprenda o Inglês que ele precisa, sem perder tempo com conteúdo que ele não irá utilizar. O estudante chega com o objetivo claro e nós montamos o cronograma de estudos de acordo com a sua meta. Isso permite que ele comece as aulas no momento em que quiser, com horários personalizados. Um plano prático de estudos e treinamento dos professores também faz parte do planejamento para que tudo ande de forma sincronizada”, relata.

       Recentemente, o Francês, Espanhol e Português para Estrangeiros também passaram a fazer parte dos idiomas oferecidos na escola.

      Os resultados positivos da metodologia criada fez com que Mariana também montasse uma mentoria para professores de idiomas que desejam iniciar ou fomentar sua carreira. “Consigo passar um pouco do que aprendi com a Pink Flamingo desde que ela se tornou escola, compartilhando os principais pontos sobre marketing, administração, financeiro, captação de alunos e redes sociais”, finaliza.

     Diariamente, a taquaritinguense compartilha sua rotina e conteúdos de Inglês em suas redes sociais. Para seguir ou entrar em contato, basta acessar os links https://www.instagram.com/pinkflamingo_englishclasses/ ou https://www.instagram.com/amaridapink/ .

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.