Oito pacientes já aguardam transplante de córnea no Hospital de Olhos de Taquaritinga (SP)

Desde que o Hospital de Olhos ‘Manoel Dante Buscardi’ recebeu a habilitação para realizar transplante de córnea em sua unidade médica, em Setembro de 2019, a expectativa para o primeiro procedimento cirúrgico é alta, tanto para os membros da equipe médica quanto para os diretores da unidade.

Shadow
Slider

De acordo com o presidente do Lions Club (responsável pela gestão do hospital), João Furtado, oito pacientes aguardam na fila de espera para fazerem a cirurgia; são seis moradores de Taquaritinga (SP) e dois de Matão (SP).  “Após a consulta e encaminhamento do médico oftalmologista especializado em córnea para a realização da cirurgia, o paciente é cadastrado na Central Estadual de Transplantes e a fila sempre é organizada em ordem cronológica”, disse em entrevista ao Jornal Tribuna.

Para agilizar o processo e diminuir o tempo de espera, o Hospital de Olhos irá receber as córneas de unidades médicas de Ribeirão Preto (SP) e São José do Rio Preto (SP). O tempo de aguardo é no mínimo de quatro meses após a inscrição na Central e a torcida é para que o primeiro transplante ocorra ainda este ano.

O Hospital de Olhos conta com treze médicos oftalmologistas e apenas dois deles (Dr. José Eduardo Pazim e Dr. Leonardo Tannus Malki) são especialistas na área e farão as cirurgias de transplante de córnea. Além disso, a estrutura interna do local é composta por farmácia, três consultórios, diversas salas de exames, duas salas cirúrgicas e apartamentos para acomodação pós-cirurgia. 

A conquista veio após três anos da abertura de um processo junto ao Departamento Regional de Saúde III de Araraquara (DRS) para conseguir a autorização. Com a habilitação, o Hospital de Olhos passa a fazer parte do pequeno rol de unidades médicas autorizadas a fazer o procedimento na região.

Como funciona o transplante de córnea? (Fonte: Hospital de Olhos de São Paulo)

O que é a córnea?

A córnea é uma membrana transparente que reveste o olho, sendo a primeira interface que a luz atravessa no globo ocular. Ela é um tecido avascular com nutrição mantida apenas pelo fluído lacrimal e por outros vasos presentes no limbo. A refração (o grau dos óculos), portanto, depende diretamente da curvatura da córnea.

Quando é recomendado o transplante?

Basicamente, o procedimento é indicado em patologias associadas à curvatura da córnea, como alguns casos de ceratocone, ceratopatia bolhosa, úlcera de córnea, leucomas corneanos, entre outros. O mesmo pode ser recomendado em casos de transparência e regularidade perdidas da córnea. Caso as lentes não estejam mais funcionando, o transplante de córnea é indicado para que a membrana doente seja substituída por uma saudável.

Qual é o procedimento?

Com duração aproximada de uma hora, a cirurgia é realizada após uma anestesia local. Quanto ao procedimento durante o transplante, pode variar em três modalidades: penetrante, lamelar e endotelial. Para o ‘penetrante’, todas as camadas da córnea são retiradas e transplantadas. Já no ‘lamelar’, somente as mais externas precisam ser implantadas, enquanto o endotelial se consiste no processo de substituição somente das partes mais internas da córnea.

E depois da cirurgia?

Na maioria dos casos, o resultado é positivo, porém exige um tempo de recuperação. É necessário manter o acompanhamento médico e seguir suas devidas recomendações. Há a possibilidade de surgir miopia e astigmatismo, mas os mesmos diminuem conforme a retirada dos pontos seja feita, restaurando a visão e a saúde ocular em alguns meses.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *