Na mira do CAT: Conheça a formatação de jogo de Valmir Israel

Por José Roberto Gaion

Na temporada 2021 da Quarta Divisão, a Inter de Bebedouro chegou até ao mata mata e acabou sendo eliminada pela Matonense. O trabalho foi todo conduzido por Valmir Israel, treinador que tem escola do sul do país, mais precisamente no estado de  Santa Catarina.

Em seu trabalho na Inter de Bebedouro, o comandante optou por atuar com uma linha de 4 no setor defensivo. O meio campo, poderia ser um volante mais marcador e dois construtores dando espaço aos extremos. Ou até mesmo um 10 fazendo papel de 8 ou 9,5 (segundo atacante).

Na organização defensiva, o 4231, muitas vezes um 451. Somente o 9 ficando na sobra. O restante todos recuavam: os dois extremos, os dois volantes e o meia/segundo atacante. A recuperação de bola sempre tinha como válvula de escape saídas pelos lados  buscando amplitudes. A equipe tomou poucos gols, a maioria dos 13 sofridos em12 jogos, por desatenção, como os dois de bola parada no mata mata diante da Matonense.

A organização ofensiva, o processo se dava no 4141 com variação para o 433 iniciando as  com saídas curtas nos zagueiros, passando pelos laterais e sempre buscando abrir o campo com os atacantes extremos e contando com a inteligência do 10, que muitas vezes chegava no centroavante. Na saída por dentro, um dos volantes recua para iniciar as jogadas, mas sempre buscando os lados do campo. Mostrou dificuldades na criação, algo que tem muito haver também com a escolha do plantel associada a sua forma de jogar.

Pontos fortes coletivos a aproximação no setor defensivo de todo o grupo de jogadores. Já os pontos fracos, alguns gols de bolas paradas e como se focava muito nas saídas pelas pontas, no bloco defensivo a Inter tinha essa ideia de defesa também, deixando muitos espaços no meio. Essa falta de  fechar o meio campo, o time acabou sofrendo também.

Valmir Israel, se vier a ser contratado pelo Leão, precisará ter um elenco com extremos velozes, volantes que saibam jogar e laterais e zagueiros com saídas de bola para manter o trabalho e  seu pensamento de jogo, como foi na Inter. A escolha do treinador e a formatação de jogo é crucial para as escolhas dos atletas que formarão o elenco. Criar mais é o desafio desse jovem comandante. Fechar as linhas, sofrer menos gols e trabalhar a bola parada defensiva é algo que o tempo fará.

Foto: Toledo-PR

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.