Crônica da Semana por Nilton Morselli

O exato instante

Numa gradação de coisas ruins, nada supera ficar doente. Todo o resto a gente tira de letra. Falando em boa hora, nunca tive um problema sério de saúde, tirando a asma que me acompanha desde a meninice. Mas essa eu já aprendi a dominar, graças ao tratamento e aos avanços da medicina preventiva, que me garantiram nunca mais perder uma noite de sono, com uma falta de ar desgraçada.
Em matéria de preocupação, tive dengue duas vezes. A primeira vez em 2010 e a segunda em 2018. A primeira foi de lascar, vi a viola em caco. A outra, mais leve, durou o fim de semana do meu aniversário, quando tive de cancelar a comemoração – também seria a última celebração do meu pai, que não chegaria ao próximo 13 de maio.
Se adoecer traz a pior das sensações, para mim, o restabelecimento da saúde está no outro extremo – é o suprassumo da felicidade. Vejamos uma gripe, por exemplo, daquelas com o combo completo – febre, dor de garganta e de cabeça.
Acabo de sair de uma dessas. Foram dez dias de sintomas, às vezes alternados. Os testes para Covid deram negativo. Numa manhã de domingo, ainda antes de o sol nascer, a dor de cabeça insistente me fez recorrer a um comprimido de dipirona. Voltei a dormir.
Quando acordei com o sol que entrava pela janela esquentando os meus pés, um céu limpo e azul parecia refletir o estado geral do paciente. Pela primeira vez em dez dias nada mais me incomodava. Me apalpei para ver se estava vivo e levantei para ter certeza.
Estava, enfim, pleno de saúde novamente. Com energia sobrando, apetite de leão, todos os sentidos a mil, querendo vida, desejoso de sair por aí para respirar ar puro e recuperar o tempo perdido. Saí para caminhar, numa espécie de agradecimento.
O exato instante em que se passa da convalescença à plenitude representa o ponto culminante da alegria. É difícil descrever, até faltam palavras. O interessante é que tive exatamente as mesmas sensações ao fim dos dois períodos dengosos. Como pode um mosquitinho fazer tanto estrago?
Fico a imaginar como deve ser libertador para uma pessoa ouvir do médico a frase “parabéns, você está curado do câncer”. Ou “o transplante de coração foi um sucesso. Vida normal agora”. Ou então: “A medula pegou!” Certamente é um clímax, um êxtase, uma virada de jogo, uma carga de mil quilos tirada dos ombros.
Uma enfermidade vencida é uma grande oportunidade de comemorar a vida e agradecer a Deus pela saúde. Uma pedra no caminho que conseguimos chutar para o lado tem o propósito de nos lembrar que devemos cuidar do corpo e da mente, tanto quanto possível.
Um abuso aqui, um desleixo ali podem suscitar uma fragilidade que não daria as caras se fôssemos mais cuidadosos. Desde o ano passado, faço parte da turma que monitora os índices. Tirei nota máxima no teste cardíaco, correndo na esteira, de máscara. Embora tenha nascido comigo, meu coração é de uma pessoa de 20 anos, disse o médico. Bom começo.
O doutor perguntou se eu me exercitava, pois meu coração é de atleta. Respondi a plenos pulmões e com um pouco de orgulho: faço academia, o plano de saúde mais barato e a longo prazo que podemos ter. Sigo o conselho do Pedro Bial na famosa crônica, dou especial atenção aos joelhos para não sentir falta deles. E, claro, uso filtro solar e tomo vacina – todas as que posso.
Mas mesmo assim sabemos que de vez em quando a máquina dá uma emperrada e é preciso apelar para as caras poções mágicas da indústria farmacêutica. Mas enquanto forem intercorrências corriqueiras, ainda estamos no lucro. Que permaneça assim até quando Deus quiser.

One thought on “Crônica da Semana por Nilton Morselli

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.