DESTAQUEMais recentes

Crônica da semana por Nilton Morselli

Criança não mente?

Pedrinho tinha 7 anos quando a mãe chegou em casa com a novidade: um par de meias-calças. A propaganda no horário do Jornal Nacional exibia pernas longilíneas de uma modelo usando o acessório, quase da cor da pele. Dona Elza não esperou uma ocasião especial para estrear a Kendall, que alcançava a altura da virilha. Vestiu-se com a meia-calça e se acomodou no sofá para ver a novela.

O menino brincava no chão quando notou algo diferente nas pernas da mãe. Foi até ela e começou a passar uma das mãos para sentir a textura. Ficou por uns dois minutos no movimento de ir de voltar, dos pés ao joelho, até que disse: é lisinha, né mãe? Fica bonito, né mãe. Por que você não põe na cara?

*

Jorginho irrompeu a porta da cozinha e se lamentou:
– Mãe, hoje na escola o Hugo ficou falando que eu sou mentiroso. Dei um chute nele e ele chorou muito.
A mãe retruca:
– Jorginho, pare com isso. Você ainda nem tem idade para ir à escola!

*

Nilton, estudante do 5.º ano do Fundamental, passou a tarde inteira na Biblioteca Municipal Macedo Soares (atual José Paulo Paes) fazendo um trabalho escolar. Caprichando na letra, preencheu as quatro faces de uma folha de papel almaço.

A atenção na tarefa era tanta que não percebeu que, no horizonte, um tempo de chuva se formava. Chuva não, temporal. Pensou: se pedalar rápido, dá tempo. Pegou sua bicicleta e rumou para a Vila Buscardi, onde morava.

Não deu tempo. A tempestade o apanhou no caminho, molhou todo o papel e a tinta da caneta borrou um pouco. Ao chegar em casa, tentou secar a folha com o ferro de passar roupa. Não deu certo.

Tentando decifrar as partes mais borradas, ficou até tarde passando a limpo. Missão cumprida, Nilton foi dormir, sonhando com aquele dia terrível.

No dia seguinte, abriu a bolsa, retirou dela uma pasta para entregar o trabalho, e cadê? Esquecera em casa. Explicou para a professora que, por um descuido, deixara a tarefa sobre a mesa. Que até fizera duas vezes porque a primeira a chuva havia estragado. Que entregaria no dia seguinte, sem falta.

Claro que ela não acreditou. Professoras são acostumadas a ouvir desculpas dos alunos que não fazem a lição. E deixou o esquecido sem nota. Essa não foi a pior parte: a pior foi passar por mentiroso.

Imagem: Portal Cultura Genial

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *