Polícia Civil de Taquaritinga (SP) alerta sobre novo golpe do cartão de crédito na cidade

O delegado Claudemir Aparecido da Silva, da Delegacia de Polícia de Taquaritinga (SP), faz um alerta à população para um novo golpe que está sendo aplicado aos munícipes que possuem cartão de crédito.

Slider

De acordo com ele, desde o início do mês, houve um aumento considerável de boletins de ocorrência relacionados a esse tipo de golpe, que consiste na ligação telefônica (feita, na maioria das vezes, através de telefone fixo) dos golpistas para as vítimas. Durante a conversa, eles conseguem extrair dados pessoais e até convencem a pessoa a entregar o cartão de crédito para um motociclista que se dirige à residência dela. 

“O índice de estelionato em Taquaritinga (SP) é muito alto quando comparado ao de outras cidades da região. Muitas vezes, são golpes conhecidos e repetidos, que a mídia faz o alerta diariamente, mas as pessoas ainda continuam sendo enganadas. Nós ainda não temos um levantamento oficial, mas eu posso garantir que esses casos aumentaram muito nos últimos dias; somente nessa semana, três fatos sequenciais foram registrados. É extremamente importante que a população fique em alerta para não cair nesse tipo de golpe”, argumentou o delegado.

Os bandidos fazem contato com a vítima munidos de dados pessoais e informações que deveriam ser sigilosas, de domínio somente da instituição bancária e isso, muitas vezes, dificulta a identificação do golpe. “Em alguns casos, o indivíduo entra em contato com o titular do cartão e faz um falso alerta de que o documento foi clonado. Na sequência, pede para que ele ligue na central de atendimento do cartão de crédito a fim de solicitar o bloqueio, mas ele acaba segurando a linha telefônica e quando a vítima disca para o telefone que consta atrás do cartão, na verdade, ainda está falando com os criminosos. A partir daí, dados pessoais e até as letras de segurança da conta são solicitados, e a vítima acaba fornecendo todas as informações, pois tem a certeza que está falando com um atendente do banco”, explicou.

Uma semelhança na ação dos criminosos está chamando a atenção das autoridades: após informarem à vítima que o cartão foi bloqueado, os bandidos pedem para que ela quebre o documento mas preserve o chip de identificação. Em seguida, eles avisam que um motociclista estará indo até a residência para recolher o documento. “Algumas pessoas chegaram a entregar o cartão para a pessoa que esteve na casa delas, mas não souberam identificar quem seria o criminoso”, disse. 

O contato por meio de telefone fixo compromete o decorrer das investigações.” Sempre dependemos da Justiça para fazer a quebra de sigilo bancário ou telefônico. Quando a vítima faz algum depósito para o criminosos, temos que ter acesso às contas bancárias para saber onde o dinheiro foi destinado e quando se trata de golpe aplicado através de celular, a quebra do sigilo permite a identificação do número que ligou para a vítima. Mas quando o golpe acontece por telefone fixo, fica extremamente difícil, pois as informações que a vítima possui são insuficientes para identificarmos os autores”, finalizou.

A autoridade orienta para que as vítimas, ao perceberem o golpe, façam contato com a agência bancária para o bloqueio imediato do cartão. Em seguida, se dirijam até o departamento de polícia para registrarem a ocorrência. Quanto maior o número de informações em mãos, de acordo com o delegado, mais rápida ficará a investigação.

Deixe uma resposta