Em Taquaritinga (SP), homem detido pela PM depois de tentar matar ex-esposa é solto em audiência de custódia

Um trabalhador rural, de 30 anos, detido na manhã de domingo (7) por invadir o apartamento da ex-esposa e tentar matá-la com uma faca, foi solto depois de ser apresentado em audiência de custódia no Plantão Judiciário de Jaboticabal (SP).

Slider

Segundo as informações do boletim de ocorrência, os policiais militares Cabo Sidney e Soldado Souza foram solicitados por testemunhas a comparecerem no referido imóvel, localizado na Rua Prudente de Moares, por volta das 7h, onde estaria ocorrendo uma briga de casal. 

Ao chegarem no local, a PM localizou o indivíduo tentando arrombar a porta do quarto onde dormia a ex-companheira. Ele foi mobilizado pelos agentes, que precisaram algemá-lo para conseguirem contê-lo.

Dentro do cômodo estava a vítima, de 29 anos. Em sua versão dada para as autoridades policiais, ela relatou que foi casada com o indivíduo por nove anos e que estão separados há cerca de nove meses, mas que o agressor não aceita o término do relacionamento. Disse ainda que, nos últimos dias, foi informada por conhecidos que seu ex-companheiro havia comprado um revólver para matá-la. Com medo, ela pediu para que um parente próximo a ela dormisse em seu apartamento naquele dia.

No início da manhã da referida data, o agressor entrou no imóvel por uma janela que estava sem cadeado e se deparou com o primo da vítima no local. Ao receber a confirmação de que ela estava na casa, o rapaz pegou uma faca e foi em direção ao quarto onde ela estava; entretanto, a mulher conseguiu trancar a porta ao ouvir a voz do ex-marido.

O homem acabou quebrando a faca enquanto desferia golpes na porta do cômodo. Neste momento, a PM chegou ao local e o deteve.

Ele foi encaminhado para a Delegacia de Polícia, onde foi autuado em flagrante pelos crimes de Violência Doméstica e Ameaça. Ao ser encaminhado para a audiência de custódia no Plantão Judiciário de Jaboticabal (SP), o Juiz determinou a soltura do agressor, para que ele responda, provisoriamente, o processo criminal em liberdade.

Deixe uma resposta